Archive for setembro \30\UTC 2009

Ótimas Notícias

30/09/2009

Dia 29.09 fomos ao pediatra fazer o acompanhamento dos meninos.

Achei que desta vez conseguiriamos chegar no horário, mas ainda não deu. A babá não pode vir justo no dia do médico, aí tive que acionar a Dinda Ju para ir junto, pois só em duas é complicado. Ju, valeu a força; obrigadão mesmo e, ó, estamos na torcida por você.

Bom, mas vamos as notícias. Os moleques estão indo super bem. Todos cresceram, aumentaram de peso e, graças a Deus, seguem sem nenhum tipo de problema de saúde. Com 04 meses e 12 dias seus números são:

Lucas: 7,750 Kg e 63 cm

Gabriel: 6,525 Kg e 59 cm

Arthur: 5,950 Kg e 58 cm

Todos se desenvolvendo super bem. Cada um no seu ritmo.

Hoje fomos tomar mais uma dose da Synagis e como está fazendo frio, os moleques tiveram de sair bem agasalhados. Segue algumas fotos dos meus “Bichinhos da Parmalat”.

Lucas

Lucas

Gabriel

Gabriel

Arthur

Arthur

Anúncios

O Grande Dia!

24/09/2009

Na manhã do dia 12.05 repeti a ecografia com dopller e marcamos para o mesmo dia, as 19h30min, o nascimento dos moleques. Sem dilataçao, sem contração, sem nenhum sinal de que a hora havia chegado. Somente a certeza de que os Moleques precisavam nascer para que todos tivessem chance de sobreviver. Sem falar em mim, que estava com a pressão arterial cada vez mais elevada, indicando pré eclampsia.

Durante este dia experimentei os mais variados sentimentos: alegria, medo, expectativa, curiosidade, frustração, tranquilidade, esperança, certeza. Chorei e ri. Foram horas que custaram a passar. Estiveram comigo a Fabi, o Luis Carlos, a Miriam e a Valda.

A Fabi assistiu ao parto e me ajudou a receber os moleques com todo o amor. Deste dia em diante é parte fundamental na história dos moleques. Valeu amigona!

Despedida do barrigão...

Despedida do barrigão...

 

... pensando bem, nem tão grande assim.

... pensando bem, nem tão grande assim.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Às 19h20min caminhei até a sala de parto.

20h07min: Nasceu o Lucas. Chorou! Ufa, ele chorou. Estava concentrada em ouvir o choro. Precisava ouvir o choro para saber que estava tudo bem. E estava. Eu chorei. Um choro de alegria, de emoção. Um choro diferente, especial, indescritível e que estava prestes a se repetir. O Lucas nasceu com 1,490kg e 37 cm. Lindo, forte, cheio de vida. Lucas, iluminado. Iluminando minha vida para sempre. Filho, te amo mais que tudo no mundo. Seja feliz e que Deus te abençoe.

20h08min: Nasceu o Gabriel. Chorou! Ufa, ele chorou. Eu continuava concentrada em ouvir o choro. Precisava ouvir o choro para saber que este moleque também estava bem. E estava. E mais uma vez eu chorei. A alegria e a emoção estavam me sufocando. O Gabriel nasceu com 930gr e 35 cm. Lindo, frágil em seu corpo, gigante em sua determinação,  um vencedor. Gabriel, enviado de Deus, meu anjo na terra. Filho, te amo mais que tudo no mundo. Seja feliz e que Deus te abençoe.

20h09min: Nasceu o Arthur. Chorou! Ufa, ele também chorou. Eu chorei. E relaxei. Estava tudo bem com meus três Moleques. E  eu chorei mais ainda. Desta vez, além da alegria e da emoção havia o alívio. Tinhamos ido muito bem. O Arthur nasceu com 1,040kg e 35 cm. Lindo, paciente, repleto de luz. Arthur, generoso. Sua generosidade me transformando para sempre. Filho, te amo mais que tudo no mundo. Seja feliz e que Deus te abençoe.

Todos deram uma parada para um beijinho antes de irem para outra sala, onde foram pesados, medidos e receberam os primeiros cuidados.

Já sabia que os meninos iriam direto para o CTI Neonatal em função da prematuridade, então, achei que só me restava esperar a sutura para ir para a recuperação quando novamente meus Moleques apareceram para um beijinho, desta vez, com direito a foto. Só então foram levados pro CTI, o que foi um ótimo sinal, pois estavam bem o suficiente para respirar sozinhos e “fazer um agradinho na mamãe”.

E eu fiquei ali, agradecendo a Deus por meus Três Moleques terem se saído bem no primeiro grande desafio de suas vidas. Obrigada Papai do Céu.

Eu e meus três amores. Felicidade e amor sem fim!

Eu e meus três amores. Felicidade e amor sem fim!

Gravidez – Final

23/09/2009

A gravidez estava indo super bem, sem nenhum tipo de complicação até, mais ou menos, uma semana antes dos meninos nascerem, quando comecei a apresentar alteração na pressão arterial.
Como a Dra. Andiara estava sempre adiantada em relação aos problemas que poderiam surgir, solicitou uma ecografia com doppler e o exame de proteinúria para avaliar o risco de pré eclampsia.
Na segunda-feira, 11.05, o dia começou diferente. Ou será que eu é que estava diferente? Não sei, mas alguma coisa internamente me avisa que o dia seria diferente, apesar de eu estar fazendo tudo igual. Fui trabalhar, como sempre. Mas era diferente. Realizei as mesmas atividades. Mas era diferente. As rotinas se repetiram. Mas eram diferentes. Somente quando percebi que estava me “despedindo” de algumas coisas, pessoas e processos é que percebi que estava mais perto do que longe. Reuni minha equipe para conversar. O discurso dizia que logo eu começaria a sair mais cedo ou que poderia inclusive não estar fisicamente presente, mas a verdade é que indagada sobre a possível data do meu afastamento, minha resposta foi: talvez até a partir de amanhã. BINGO!
A tarde saí para a realização da eco. A mesma clínica, o mesmo médico, tudo como sempre. Mas era diferente.  O exame detectou insuficiência placentária, ou seja, um dos bebês estava com dificuldades para se nutrir e oxigenar.

Da clínica fui direto para o consultório da obstetra e depois, direto ao hospital.

Aproveito aqui para agradecer a Dra Andiara Luvielmo e ao Dr. Eduardo Becker por todo carinho, dedicação, competência, profissionalismo. Obrigada por terem tomado a atitude certa na hora certa!

O Sexo dos Bebês

23/09/2009

Sempre sonhei em ser mãe de uma menina!
Quando soube que seriam três, logo imaginei que poderiam ser “mescladinhos”, não importando a proporção, desde que mesclados.
Confesso que me decepcionei um pouco quando soube que seriam três meninos e que a minha, há muito sonhada, menina não viriam desta vez.
Mas foi só um pouco. Logo comecei a imaginar as vantagens de ter trigêmeos do mesmo sexo: roupas, brincadeiras, amigos, festas, tudo isso sem falar que os meninos são mais das mães. Vamos ver!
Hoje penso que não poderia ser diferente. Não consigo me imaginar de outra forma.
Ah! dizem que intuição de mãe é sempre certa. Pois comigo não foi diferente. Embora desejasse uma menina, enquanto estava grávida sempre me dirigi aos bebês como “Meus Moleques”.

Dupla Felicidade

13/09/2009

O sábado, dia 12.09, foi duplamente especial para mim.
Primeiro porque meus moleques completaram 04 meses de muitas alegrias, saúde e felicidades: “Que o Papai de Céu siga abençoando suas vidas e iluminando seus caminhos.”
Como nos demais meses, a Dinda Fabi comprou um bolinho para comemorarmos a saúde dos meninos e mais um mês de vida. Os vovôs emprestados, Diamantino e Jussara estiveram presentes.
Segundo porque eu consegui, finalmente, colocar nos moleques umas roupas de lã que minha mãe havia feito para o Pedrinho há 07 anos atrás. Como minha mãe não está mais entre nós, ter ganho as roupas que ela fez e poder usá-las foi muito importante para mim. Obrigada Dinda Miriam!
Na sequencia algumas fotos dos moleques.
Eu volto com o relato anterior (gravidez), tentando registrar as principais experiências vividas até o momento.
Lucas:
012

032

Gabriel:
010

040

Arthur:
018

038

Os Três Moleques:

043

057

Gravidez – Parte 1

12/09/2009

Tive uma gravidez super tranquila. Nada de enjôos, nada de náuseas, nada de desejos (normais ou absurdos). Somente no final da gestação é que começaram os edemas, nos membros inferiores. Mãos e rosto ficaram livres. Pena! Achei que teria meu momento Angelina Jolie.
Amei estar grávida, curti cada momento de forma única. Sentir as mudanças no meu corpo, ver minha barriga crescer e saber que dentro dela estavam se desenvolvendo MEUS FILHOS é algo indescritível.
Aliás, acho “estar grávida” algo um pouco egoísta, pois por maior que seja sua felicidade, por maior que seja seu desejo de dividir com os demais, por maior que seja sua disponibilidade em externar suas sensações, elas são somente suas: indescritíveis, inenarráveis, únicas.
Já sou, por natureza, chorona. Grávida então, conseguia chorar com a Fátima Bernardes dizendo “Boa noite, está no ar o Jornal Nacional”. Comercial de margarina então, nem se fala! Era pura sensibilidade.
E o amor? Nossa, o amor que se senti pelos meus filhos desde a concepção é do jeito que nunca senti antes por nada e nem por ninguém e que só faz é crescer a cada dia. Lembro que minha mãe, seguidamente me dizia: “Não adianta eu querer te explicar. Tem coisas que você só vai entender quando for mãe.” Sabias palavras! O amor e a doação são ótimos exemplos.
HPIM1137

HPIM0997

São Três!

11/09/2009

A primeira eco foi aguardada com muita expectativa. Com o resultado positivo do Beta HCG , eu não sabia se estava grávida de gêmeos (mais que dois nem me passava pela cabeça) ou se estava somente “muito grávida”.

Fomos para a eco, eu e a Fabi, Dinda do Gabriel, e fundamental neste processo todo (ainda vou falar muito nela, pois é a segunda mãe dos meus filhos). Eu estava muito feliz e excitada, não via a hora de reafirmar que eu realmente estava grávida.
O exame comçou com grande expectativa de todos. O Dr. Renato foi realizando a eco e anunciou: São dois sacos gestacionais! Na hora não entendi o que isto significava, mas logo caiu minha ficha. Ao mesmo tempo em que a Dra. Helena disse que eram gêmeos e sugeriu que ele procurasse se havia mais algum eu pensei: “Gêmeos!? Legal! Quem sabe vem um menino e uma menina?! Beleza!”
Neste momento, em meio aos meus pensamentos, é anunciado o treceiro saco gestacional. Confesso que senti a maca desaparecer de baixo de mim. Fiquei muito confusa e preocupada. Demorei um bom tempo para me acostumar com a idéia de que teria três filhos ao mesmo tempo. hoje, é claro, não consigo imaginar minha vida sem meus três moleques.
Minha cabeça deu voltas e comecei a pensar como faria para amamentar três se só tenho dois seios? Como poderia abraçar três se só tenho dois braços? E as massagens, os passeios e os carinhos guardados para O meu bebê, como poderiam se concretizar com OS meus bebês?
Hoje sei que tudo se ajeita e que para tudo existe uma alternativa, mas na hora da descoberta foi um choque, principalmente porque já não tenho mais meus pais, não tenho a família do marido para ajudar porque não tenho marido. Conto com meu irmão e meus amigos, principalmente a Dinda Fabi.
Mas agora, só alegria!

Inseminação; Fertilização; Azaração

04/09/2009

O tempo estava passando rápido demais e algo precisava ser feito. Mas como? com quem? de que forma?

Em conversa com minha obstetra, começamos a avaliar as alternativas possíveis. Inseminação? viável. Fertilização? caro demais; talvez em um segundo momento; Azaração? sem chance; a disponibilidade para azaração, no meu caso, é inversamente proporcional ao passar dos anos. Sem falar no risco envolvido. Sem chance!!!

Optei pela inseminação e acredito que caiba um esclarecimento sobre o que é inseminação e o que é fertilização, pois notei ao longo da minha gravidez que há muita confusão em relação a estes dois temas.  Sempre que eu falava que havia feito inseminação as pessoas perguntavam: quantos você implantou? minha vontade era de responder? mais de cinco milhões. Mas, ao contrário, lá ia eu explicar a diferença entre uma técnica e outra.

Então, lá vai:

Inseminação: Nesta técnica, somente os espermatozóides são manipulados, sendo feita a separação dos móveis e normais dos que estão imóveis ou mortos, resultando de 5 a 10 milhões de espermatozóides em condições. Já a mulher se submete a indução da ovulação através da ingestão de medicamentos. No período fértil é feita a transferência dos espermatozóides. E aí, é só torcer.

Fertilização In Vitro: Também conhecido como “Bebê de Proveta”, caracteriza-se pela fertilização do óvulo pelo espermatozóide ocorrer fora do corpo, ou seja, em laboratório.  Os embriões resultantes da fertilização são transferidos posteriormente para o útero materno e esperar pela fixação ou não dos embriões transferidos.

Me submeti a 05 inseminações ao longo de 03 anos. No final de 2007 engravidei, porém, com aproximadamente 05 semanas sofri um aborto espontâneo. Posso dizer que em um curtíssimo período de tempo experimentei sentimentos opostos: alegria extrema e tristeza sem fim.

Em 2008 e já na lista para adoção, realizei mais uma tentativa. Foi no dia 28.10.2008 e desta vez tive êxito. Muito êxito por sinal. No feriado de 15 de novembro realizei o segundo Beta HCG e o resultado foi altíssimo. Neste dia soube que seria mãe de mais de um bebê, mas não imaginei que seriam 03.

Ser mãe!

04/09/2009

Ser mãe!  Dentre as inúmeras coisas que fiz ou que gostaria de ter feito, ser mãe sempre foi meu grande projeto de vida.

Eis que um belo dia me deparo com 36 anos, solteira, sem nenhuma perspectiva de casamento, namoro, rolo ou seja lá o que for e um grito interno que me dizia que o tempo estava passando, que logo a natureza faria a parte dela, dificultando cada vez mais ou até mesmo impedindo que meu destino se cumprisse. E foi aí que comecei minha maratona em busca do meu filho.

Hoje estou realizada. Sou mãe de trigêmeos, o Lucas, o Gabriel e o Arthur (por ordem de nascimento). Os meninos completarão 4 meses no dia 12.09.2009 e este blog objetiva registrar nossa história.  Como estou começando com um bom atraso, farei relatos atuais e passados.